Ir para o conteúdo
ou

 Voltar a Notícias do ...
Tela cheia Sugerir um artigo

Reestruturação completa garante avanços para o Plano Juventude Viva em 2018

18 de Janeiro de 2018, 14:58 , por Mariana Lozzi Teixeira - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 1026 vezes

3ef20502 639c 4d2b bff2 f1823df48401O Plano Juventude Viva é uma iniciativa do governo federal, coordenado pela Secretaria Nacional de Juventude (SNJ), vinculada à Secretaria de Governo da Presidência da República (SG/PR) e pela Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir). Ele reúne ações de prevenção para reduzir a vulnerabilidade de jovens negros a situações de violência a partir da criação de oportunidades de inclusão social e autotnomia.

As ações do Plano Juventude Viva visam a ampliação dos direitos da juventude, a desconstrução da cultura de violência, a transformação de territórios atingidos por altos índices de homicídios e o enfrentamento ao racismo institucional, com sensibilização de agentes públicos para o problema. Como respaldo para elaboração do Juventude Viva, foram utilizados os dados sobre homicídios por arma de fogo do Mapa da Violência. A partir dele, foram escolhidos 142 municípios considerados prioritários para receber os recursos do Plano, por conta dos altos índices de morte de jovens negros.

Atualmente, após quatro anos desativado, o Plano está em reformulação, buscando articulação com ações que abarquem a prevenção à violência e a proteção da vida da juventude negra brasileira. A previsão é de que o Novo Juventude Viva seja lançado em 2018. Atualmente, estão sendo feitas consultorias para avaliar quais os pontos mais críticos de mudança, que são exigidos pelos municípios prioritários, elencados no Mapa da Violência de 2016.

Além disso, a reformulação do Juventude Viva contará com o respaldo de dados do Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência e Desigualdade Racial 2017 (IVJ). Encomendado ao Fórum Brasileiro de Segurança Pública pela Secretaria Nacional de Juventude, o novo relatório terá como ano base 2015 e as fontes de dados utilizadas são do IBGE (PNAD 2015, Censo Demográfico 2010, projeções populacionais) e o Datasus (Sistema de Informações de Mortalidade – SIM).


0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.