Ir para o conteúdo
ou

 Voltar a Notícias do ...
Tela cheia Sugerir um artigo

ARTIGO: Melhor arma é respeito aos direitos dos jovens e indígenas

26 de Outubro de 2015, 0:00 , por Danilo Castro - 1Um comentário | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 145 vezes

Por Gabriel Medina, secretário nacional de Juventude

ArmamentoNesta última terça-feira (27), duas notícias vindas do Congresso Nacional mostram que os tempos difíceis nos demandam cada vez mais luta e disposição. Não deixaremos de lutar enquanto os Direitos Indígenas ainda estiverem sendo atacados e violados. Não deixaremos de lutar enquanto o Estatuto do Desarmamento, que já nos poupou de 160 mil assassinatos desde sua implementação, estiver em vias de revogação ou flexibilização.

A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 215, que transfere do governo federal para o Congresso a atribuição de oficializar terras indígenas, é inadmissível. Um país que não reconhece seu passado e seu presente marcado pelo extermínio pode aprofundar ainda mais as violações de direitos contra a população indígena. Aprovada na Comissão Especial, a proposta irá ao plenário e, mais do que nunca, precisaremos de mobilização para barrá-la.

Como se não bastasse, no mesmo dia, em comissão especial da Câmara dos Deputados, a flexibilização do Estatuto do Desarmamento foi aprovada. A proposta autoriza o porte de armas para deputados, senadores, agentes de trânsito, agentes de medidas socioeducativas e coloca em 21 anos a idade mínima para o porte de arma. Armar a sociedade é uma péssima ideia para combater o cenário de violência do país, que atinge principalmente jovens negros.

Segundo dados do Mapa da Violência de 2015, entre 2004 e 2012, após aprovação do Estatuto do Desarmamento, em 2003, mais de 160 mil vidas foram poupadas. Desse total de mortes evitadas, 113.071 foram de jovens. O indicador "vidas poupadas" consiste na diferença entre o número de mortes esperadas a partir da análise da tendência de crescimento ante as mortes efetivamente ocorridas.

Contra todo retrocesso, vamos sim nos armar, mas apenas com informação e luta, para fazer o amor vencer o ódio.


Categorias

Segurança

1Um comentário

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.