Ir para o conteúdo
ou

Minha rede

 Voltar a Notícias do ...
Tela cheia Sugerir um artigo

Ao som da sanfona, tambor e viola, jovens se reúnem em defesa da educação do Campo, em Luziânia (GO)

17 de Setembro de 2015, 0:00 , por Danilo Castro - 1Um comentário | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 209 vezes

“Não vou sair do Campo

Pra poder ir pra escola

Educação no Campo é direito

Não é esmola!”

Os gritos e palavras de ordem entoavam os valores das populações que vivem nas zonas agrárias brasileiras. Música e teatro emanavam a força do evento que reúne cerca de 1.200 participantes, em sua grande maioria jovens, durante o 2º Encontro Nacional de Educadores e Eduradoras da Reforma Agrária, que ocorre em Luziânia (GO) de 21 a 26 de setembro. Gabriel Medina, Secretário Nacional de Juventude (SNJ), participou da mesa de abertura.

Representantes de todos os estados brasileiros e do Distrito Federal marcaram presença no seminário, organizado pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Dentre as principais pautas, a necessidade da melhoria da educação no Campo já que, segundo consta no manifesto, de 2013 a 2014, 37 mil escolas nas zonas rurais fecharam as portas.

O jovem Eduardo P. dos Santos, 19, do município de Pontão (RS), acredita que o encontro é um momento de celebração e renovação de forças. “A juventude está sempre presente no movimento pela Reforma Agrária Popular e Educação no Campo. Nossos pais nos passaram isso, a importância da nossa luta, das nossas raízes”, felicita. “Queremos ficar nas nossas terras, mas com condições dignas de trabalho, pautados na Agroecologia, e de Educação”.

Diversos representantes do governo estiveram presentes. Dentre eles, o ministro do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), Patrus Ananias de Sousa, e o ministro do Ministério da Educação (MEC), Renato Janine, que aproveitou a ocasião para assinar a portaria que instaura o Grupo de Trabalho para Educação no Campo no MEC, atendendo a uma reivindicação histórica.

 “O que seria do campo sem a juventude?”, questiona Gabriel Medina ao fazer uma análise da atual conjuntura política. “No momento atual, os conservadores estão tentando destruir nossos sonhos. Mas temos muito o que comemorar também com o fim do financiamento empresarial nas eleições, aprovado recentemente pelo Supremo Tribunal Federal”, frisou, ressaltando que os jovens do campo fazem parte dessa luta. “Juventude que ousa lutar constrói o poder popular”, saudaram os jovens participantes ao fim da fala do secretário.

 Texto: Ascom/SNJ

Fotos: Danilo Castro/SNJ

 

 

 

 

 

 


Categorias

Campo e Cidade

1Um comentário

  • 5qcfd bdiyyvt5y3i 54jhvezr1bimm3dapxymwp8vo minorLuiz Siqueira
    16 de Outubro de 2015, 5:59

     

    Quanta gente?! Que coisa boa! Produtividade total! Parabéns!


Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.