Ir para o conteúdo
ou

Tela cheia Sugerir um artigo
Logo caoijuv
 Feed RSS

Coijuv

16 de Julho de 2014, 7:34 , por Desconhecido - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.

Instituído pelo Decreto nº 9.025, de 05 de abril de 2017, o Comitê Interministerial da Política de Juventude (Coijuv) é o órgão permanente para gestão e monitoramento das políticas públicas do Governo Federal para a juventude. O secretário-executivo é José Antonio de Melo Filho, telefone 61 -3411-3575 e email joseantonio.filho@presidencia.gov.br


Toma posse o Comitê Interministerial de Juventude, em Brasília

19 de Junho de 2017, 16:12, por snjuventude@gmail.com - 0sem comentários ainda

Posse coijuv

O Comitê Interministerial de Juventude (Coijuv) realizou sua primeira reunião ordinária nesta segunda-feira (19/06), em Brasília (DF). Os membros aprovaram o regimento interno do colegiado e marcaram o próximo encontro para o dia 5 de julho. A cerimônia de posse realizada hoje foi coordenada pelo secretário-executivo do Coijuv, José Antônio de Melo Filho.

Durante a reunião, os representantes de cada ministério foram diplomados e marcaram para o próximo encontro a apresentação dos programas e ações de suas pastas para a juventude. Foi aprovado o pleito da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), da Casa Civil, de integrar o comitê.

Composto por 13 ministérios e pela Secretaria Nacional de Juventude, o Coijuv foi instituído pelo Decreto nº 9.025, de autoria do presidente Michel Temer, de 05 de abril de 2017. O comitê é o órgão permanente para gestão e monitoramento de politicas públicas de juventude do governo federal e deve fortalecer a elaboração da politica nacional da juventude. O colegiado também é o órgão facilitador de diálogo e ação interministerial no âmbito das politicas que tratam sobre a juventude.

Foram diplomados os seguintes membros: Bruno Alves de Jesus, do Ministério da Educação; Risla Lopes Miranda, do Ministério da Cultura; Tarsila Crusius, do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário; Luiz Cláudio Barcelos, do Ministério da Saúde; Débora Carla Nascimento, do Ministério do Esporte; Brenna Karen de Oliveira, do Ministério da Integração Nacional; Sônia da Costa, do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações; Pedro Ataíde Cavalcante, do Ministério da Defesa, Rafael Tobias Alloni, do Ministério da Justiça e Segurança Pública; Hélio de Souza Pinto, da Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres; Moises Bauer Luiz, da Secretaria Nacional de Direitos da Pessoa com Deficiência; Camila Antonelle, da Secretaria Nacional de Politicais de Promoção e Igualdade Racial; José Antônio de Melo Filho e Saulo Spinelly, da Secretaria Nacional de Juventude/Secretaria de Governo da Presidência da República.

Texto: Ascom/SNJ



Presidente Temer cria Comitê Interministerial de Juventude

18 de Abril de 2017, 16:01, por snjuventude@gmail.com - 0sem comentários ainda

CoijuvO presidente Michel Temer instituiu o Comitê Interministerial da Política de Juventude (Coijuv), um órgão permanente para gestão e monitoramento das políticas públicas do Governo Federal para a juventude. Isso demonstra a preocupação do presidente com o acompanhamento e a implementação das políticas públicas para a população de 15 a 29 anos.

O Coijuv ficará no âmbito da Secretaria de Governo da Presidência da República (Segov/PR). O decreto, publicado no Diário Oficial da União (DOU) de 6 de abril, detalha as competências do comitê. Entre elas está a tarefa de elaborar e propor a regulamentação do Fundo Nacional de Juventude do Sistema Nacional de Juventude (Sinajuve); monitorar a implementação no território nacional do Estatuto da Juventude e do Sinajuve;  elaborar o Plano Nacional de Juventude e acompanhar periodicamente o cumprimento dos objetivos e das metas propostos; subsidiar a elaboração de instrumentos de monitoramento e avaliação do Plano Nacional de Juventude e dos programas e das ações do Governo federal para a juventude; entre outras.

A Secretaria Nacional de Juventude (SNJ) exercerá a secretaria-executiva do Coijuv e fornecerá apoio institucional e técnico-administrativo, sendo responsável pelo assessoramento e pela organização dos trabalhos. O Coijuv será integrado por 15 titulares de 13 ministérios. O Ministério dos Direitos Humanos será representado por meio de suas três secretarias (Políticas para as Mulheres, Direitos da Pessoa com Deficiência e Políticas de Promoção da Igualdade Racial). As reuniões ordinárias ocorrerão mensalmente.

Texto: Ascom/SNJ



SAÚDE E LAZER: Jovens discutem o Plano Nacional de Juventude no Rio de Janeiro

18 de Novembro de 2014, 17:24, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

image

Aconteceu nos dias 12 e 13 de novembro no Rio de Janeiro/RJ, a 7ª e 8ª oficina “Plano em Diálogo”, realizada pela Secretaria Nacional de Juventude (SNJ), que tem como objetivo discutir os eixos dos direitos do Estatuto da Juventude e aprofundar as principais agendas, desafios e prioridades da política de juventude.

Na quarta-feira (12/11) o tema debatido foi “Direito ao desporto e ao lazer”, que aconteceu na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio). Já na quinta (13/11) o tema foi “Direito à saúde”, discutido na Escola Politécnica Joaquim Venâncio, na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

As duas oficinas contaram com representantes da sociedade civil de diversas organizações brasileiras, algumas integrantes do Conselho Nacional de Juventude (Conjuve), com a finalidade desses atores contribuírem com as suas percepções, vivências e práticas de suas realidades por um melhor desenvolvimento das políticas. Ângela Guimarães, presidente do Conjuve, disse durante sua intervenção, ser importante a participação de todos e todas nesses espaços de diálogo.

Murilo Amatneeks, secretário-executivo do Comitê Interministerial da Política de Juventude (Coijuv), que representou a SNJ, destacou que essas oficinas fazem parte de um debate inicial. “Essas oficinas não são conclusivas e nem deliberativas para conjunto das juventudes. A proposta é depois conversar e ouvir os grupos específicos e priorizar as suas demandas”, afirmou.

Serão ao todo 11 oficinas realizadas, seguindo os 11 temas que constam no Estatuto da Juventude, com o propósito preparatório de um texto base para a III conferência de juventude em 2015 e possíveis contribuições de atualização do plano nacional de juventude, que é um projeto de lei (Nº. 4530/04), que determina um conjunto de políticas públicas e medidas que beneficiam os jovens brasileiros entre 15 e 29 anos.

Saiba como foi a última oficina do Plano em Diálogo que discutiu Território e Mobilidade 

Ainda estão previstas outras oficinas Plano em Diálogo:

19\11 – Direito à sustentabilidade e ao meio ambiente [Manaus]
26\11 – Direito à profissionalização, ao trabalho e a renda [Brasília]
27\11 – Direito à educação [Brasília]

Fonte: Conselho Nacional de Juventude

Participatório da Juventude

Siga-nos no Twitter!
Acompanhe nossa Fã Page no Facebook



MOBILIDADE: Plano Nacional de Juventude é pauta de oficina com jovens em São Paulo

7 de Novembro de 2014, 13:54, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

image

A oficina “Plano em Diálogo” aconteceu no Instituto Polís em São Paulo ontem (06/11) e contou com a participação de 30 jovens da sociedade civil de diversas partes do Brasil. O Plano Nacional de Juventude é um projeto de lei (Nº. 4530/04), que determina um conjunto de políticas públicas e medidas que beneficiam os jovens brasileiros entre 15 e 29 anos. A proposta é estabelecer metas para que os governos – federal, estadual e municipal – cumpram a política juvenil em um período de dez anos. E nada melhor do que os próprios jovens para dizerem por si o que querem para o desenvolvimento das políticas.

As oficinas vêm sendo realizadas pela Secretaria Nacional de Juventude (SNJ) em todas as regiões do país desde agosto de 2014. A ideia é dialogar com jovens da sociedade civil para construir o texto base do Plano, que será tema da III Conferência Nacional de Juventude, prevista para acontecer em 2015.

Juventude Território e Mobilidade

Murilo Amatneeks, secretário-executivo do Comitê Interministerial da Política de Juventude (Coijuv), participou representando a SNJ. Para ele, a oficina foi rica em diversidade e mostrou como os direitos do Estatuto da Juventude, a exemplo de “Território e Mobilidade”, devem ser vistos de forma transversal ao se produzir diretrizes das ações governamentais. “Demos um salto na elaboração de debates desde a identidade territorial, passando pelo acesso e fruição dos espaços e pelo transporte como um direito”, diz.

Para a jovem paulista, Renata Florentino, integrante do Observatório das Metrópoles, a oficina contou com a diversidade dos segmentos da juventude, onde os jovens puderam colocar suas perspectivas sobre os direitos que ainda precisam ser garantidos, tanto por legislação ou pela excussão de políticas públicas. “Espero que dentro do plano a gente consiga apontar caminhos para execução das políticas. Muitos direitos já estão conquistados, mas o gargalo maior é tirar os direitos já conquistados para implementação de fato”, afirmou.

Já o jovem Leonardo Miranda, que é metroviário e mora na cidade de Porto Alegre/RS, as oficinas buscam apresentar a diversidade de opiniões e neste eixo do Direito ao Território e Mobilidade foi possível compreender que os jovens estão preparados para elaborar propostas viáveis. “Os jovens estão preocupados com a qualidade do transporte público e desejam investimento ao transporte de massa como trens metrôs e VLTs”, disse.

Fonte: Secretaria Nacional de Juventude

Participatório da Juventude

Siga-nos no Twitter!
Acompanhe nossa Fã Page no Facebook



NÃO É CENSURA: Jovens discutem democratização e regulamentação das Comunicações no Plano Nacional de Juventude

9 de Outubro de 2014, 16:08, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

image

Democratizar a comunicação é enfrentar o poder. Isso porque os grandes veículos de imprensa são pertencentes a famílias com alto poder aquisitivo que pautam a sociedade de acordo com seus interesses.  Consequentemente, a liberdade de expressão, ponderada pelos movimentos sociais, passa a ser tolhida, já que a Comunicação, que deveria ser pública, acaba tornando-se privada. Isso é parte da discussão que aconteceu com trinta jovens comunicadores de todo o Brasil que se reuniram hoje (09/10) na Universidade Federal do Ceará (UFC) para construir o Plano Nacional de Juventude no eixo de Comunicação.

image

A reunião faz parte da oficina Plano em Diálogo, realizada pela Secretaria Nacional de Juventude (SNJ) no intuito de colher as demandas da juventude para o texto-base do Plano (PL nº 4.530/2004), um documento que deve conter as principais diretrizes da juventude brasileira. “A ideia é que o Plano possa direcionar a política de juventude no governo federal para os próximos dez anos”, afirmou Murilo Amatneeks, coordenador executivo do Comitê Interministerial da Política de Juventude (Coijuv). A discussão final acontecerá na III Conferência Nacional de Juventude, em 2015.

image

“A mídia sempre coloca o jovem como vagabundo, marginal, problema”, disse Carolina Ellmann, da Viração Educomunicação, que compõe uma rede de jovens comunicadores de São Paulo. “Regulamentar a Comunicação no Brasil não pode ser encarado como censura. No Ceará, há mais de seis horas [diárias] de programa policial que expõem e criminalizam os jovens”, afirmou a cearense Camila Silveira, da União Brasileira de Mulheres (UBM). Segundo ela, regulamentar seria uma forma de controlar os veículos que violassem os direitos humanos, além de estimular a promoção de pautas educativas e sociais.

image

Comunicação é um direito

O Estatuto da Juventude prevê a Comunicação como um direito aos jovens, porém, nem todo mundo vivencia ou tem consciência do seu direito. “Nosso desafio é produzir uma Comunicação ‘contra-hegemônica’ para a sociedade como um todo, não só para quem é dos movimentos. O que a gente produz precisa ter capilaridade. Todos podem produzir conteúdo”, ponderou Hélida Miranda, membro do Gueledés e Instituto Mulher Negra, de São Paulo.

A jovem Potyra Tê Tupinambá, índia pertencente ao povo Tubinambá, de Ilhéus (BA), acredita que é necessário que o Plano instigue a aplicação de investimentos também aos povos e comunidades tradicionais, muitas vezes isolados da Comunicação. “Precisamos dessas tecnologias, de acesso à internet, mas também precisamos utilizar isso como uma ferramenta de militância e denúncia para tralharmos em rede”, conclui.

Um dos avanços colocados pelos jovens foi a aprovação do Marco Civil da Internet (Lei nº 12.965/2014), que regulamenta direitos e deveres dos usuários e empresários sobre internet e é considerado um documento de referência para todo o mundo. As oficinas do Plano acontecem desde agosto de 2014 e seguem até o final do ano. Ao todo, 11 eixos prioritários serão discutidos nas oficinas que vêm sendo realizadas em todas as regiões brasileiras. Saiba como foi a discussão no eixo de Cultura.

Participatório da Juventude

Siga-nos no Twitter!
Acompanhe nossa Fã Page no Facebook!    



Estatísticas para Coijuv

  • 40 usuários
  • 0 tags
  • 0 comentários